SOBRE ESTAR SOZINHA

Estar sozinha. Soa estranho, mas muitas vezes na vida essas duas palavrinhas me causaram medo. Um medo que eu nunca soube explicar, mas talvez porque não conseguia nem admitir (e enxergar) que de fato isso era medo. Creio que os maiores defeitos das pessoas certamente são aqueles que elas não enxergam, pois ninguém é e nunca será desprovido de um, mas só o fato de olhar pra si e ver – e querer consertá-lo, já é o caminho.

Eu que nunca fui de ter muitos amigos, pois sempre fui tímida e em certas situações, a estranha do grupo. Tive medo de ir para a faculdade e não conseguir fazer amigos, me encaixar em algum grupo ou ser a excluída da equipe de trabalho, ficar sozinha por não me interessar pela mesma pessoa por mais de três meses, ou ninguém se interessar por mim - até conhecer Allan - meu namorado/ noivo há cinco anos. 

Quando nos conhecemos, logo começamos a namorar, e eu meio que me tranquilizei por não estar mais sozinha, até o momento de sentir o pavor tomar conta de mim novamente quando sabia que novas situações viriam pela frente. Com isso, sempre o sufoquei, cobrando sua atenção ao extremo, sendo ciumenta, possessiva e todos esses adjetivos que se resumem a um só: a insegurança. Ela e eu quase rompemos tudo que havíamos construído, e o medo de ficar sozinha sempre prevalecia.

Com o passar do tempo, fui aprendendo a me amar e aceitar sem me importar com o que é imposto para nós, sem padrões e preferências derivadas. Não sei ao certo quando isso começou, e nem como, mas creio que tenha sido algo natural, um processo pelo qual fácil me adaptei quando enxerguei o meu estado.

Isso aconteceu mesmo estando em um relacionamento, o que me faz enxergar que estar sozinha teoricamente não cumpre o total sentido da coisa. Você pode estar sozinha mesmo estando com alguém. A pessoa chega, te faz companhia, te traz sorrisos e te completa exatamente naquele instante, o instante de vocês. E quando ela se vai é com você que você fica. Sozinha, porém completa. Estou com alguém não só para preencher o vazio, até porque não há.

Ultimamente busco aproveitar ainda mais disso. Há três semanas vou pelo menos um dia à biblioteca e percorro os corredores sozinha, ouvindo o barulho da minha sapatilha zanzando pelo chão – feliz pelas descobertas feita nos livros. E não sinto tédio quando vou para academia, me sinto bem com a minha companhia. E ás vezes, no ônibus, encosto a cabeça no vidro da janela e viajo no meu fone de ouvido, pensando em mim; e quando chego em casa e termino de fazer minhas coisas, escrevo. Escrevo na agenda pensamentos avulsos e tarefas da semana. As minhas tarefas, as minhas coisas. E apago a luz para dormir sem depender do “boa noite” de ninguém para ter de certo uma boa noite de sono.

Sou feliz comigo mesma, sem depender de ninguém para essa leveza toda.
E o mais engraçado de tudo é que sendo assim tão segura, só atraí coisas e pessoas boas, e o que já tinha (o meu relacionamento) tornou-se muito muito melhor. Percebi que aquela coisa de transbordar para o mundo o que há dentro de você faz total sentido. Exatamente assim: cada um dá o que tem. Se você, sozinho, construiu algo bom dentro de você, é isso que você transbordará para os que gosta! ♥


snapchat - meurrelicario | Instagram | twitter | facebook & facebookpinterest 

11 comentários

  1. putamerda como eu precisava ler isso. eu que sempre me senti tão segura de mim tenho me afogado em insegurança nesse último mês (talvez seja inferno astral a la agosto do desgosto ou seja só insegurança mesmo) e tenho sentido isso atrapalhar demais no meu dia a dia. e o foda é que, por mais que eu já saiba de tudo isso que tu falou, as vezes a gente precisa enxergar de verdade e por em prática. obrigada mesmo ♥

    ResponderExcluir
  2. Texto gostoso de se ler <3 as vezes precisamos desse momento de se alto descobrir e ir atrás da nossa essência. Nada como transborda aquilo que realmente somos. Esse texto veio na hora certa! <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom ter ajudado!
      Temos que transbordar coisas boas por aí.

      *-*

      Excluir
  3. Cara, muito obrigada por esse texto, falou muito comigo. Até 1 ano atrás eu achei que já tinha "me encontrado", quando uma mudança completamente inesperada virou meu mundo de cabeça pra baixo e eu me perdi, me perdi tanto que inevitavelmente a insegurança e ansiedade tomaram conta. As consequencias desses sentimentos são foda pra caramba. Atrapalha as relações, até com a gente mesma as vezes.

    Sei lá, obrigada mesmo por compartilhar isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como fico feliz em ler isso, Gabi.
      Nada melhor do que se encontrar. ♥

      Excluir
  4. Ao ler o texto, eu simplesmente me vi nele. Eu sempre tive medo de estar sozinha, sabe? Até que comecei a namorar e fazia a mesma coisa com ele, depois de 4 anos praticamente, meu relacionamento foi rompido, e meu medo de estar sozinha aumentou, mas eu comecei a fazer coisas como voce, de andar só, de conhecer coisas sozinha, e tenho a mesma "mania" de colocar um fone, e viajar, grudada na janela.

    Depois que comecei a me virar só, comecei a me preocupar comigo mesma, ainda mais, e depois disso, minha vida melhorou muito, e com tudo isso, veio pessoas legais até a mim, e fiz muitas amizades, lindas! Hoje não me encontro mais só. Adoro escrever, ficar tirando foto sozinha, cuidar de mim, e claro ficar com pessoas que gosto. Com tudo isso, me fortaleci ainda mais, e hoje sou uma pessoa ainda mais feliz. E descobri que nem sempre preciso de alguem pra me sentir bem, posso estar bem, sozinha! (entende, né?)

    beijos :* e saudades (precisamos nos encontrar).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A sensação de conseguir enxergar isso é muito boa, Gi. E incrivelmente compensadora.
      Também estou com saudades! Temos que marcar novamente um encontrinho blogueiro. ♥

      Excluir
  5. Que bonito isso Stéfhanie. E que gostoso ler sobre essa sua auto-descoberta. Eu sempre gostei de ficar sozinha e acho que já tive o medo contrário ~ como eu seria compartilhando TUDO com outra pessoa. Mas depois que a gente entende que não precisa compartilhar TUDO e que ficar sozinha é um grande barato, a vida corre mais leve. ♥

    ResponderExcluir
  6. Sabe que comigo é exatamente ao contrário? Também tenho dificuldade de fazer amigos, mas eu realmente gosto de estar sozinha. A coisa só mudou quando viajei sozinha por quase dois meses e comecei a sentir a necessidade de conversar com outras pessoas... Mas ficar sozinha é uma delícia!

    ResponderExcluir
  7. Eu sou totalmente assim, só que versão piorada em tratamento, sério! hahahaha.
    Nunca fui de ter muitas companhias, criei vínculos fortes (de contar segredos, compartilhar sonhos..) com pouquíssimas pessoas e conforme a vida no sentido de amizade foi me estapeando, aprendi a ser mais seletiva do que já era, não o sentido de ser fresca com as pessoas mas, de saber semelhar melhor os que chamo de meus. Com meu namorado eu também era assim, bem sufocadora. Eu o tenho como melhor amigo, ele é o único que sabe de tudo mas, conforme fui amadurecendo e firmando alguns pensamentos, me tornei mais leve com essas coisas mas, confesso que tenho algumas neuras, ainda. Tanto é que sai do grupinho que estavamos todas porque como não tenho intimidade com ninguém, estava me incomodando estar ali, mesmo sem ninguém conversas, alok! Um dia melhoro isso hahaha e como você, também aprendi a gostar de estar sozinha por conta da minha própria companhia. E o relacionamento melhorou muito, mesmo estando juntos por quase sete anos, não vejo um futuro sem ele.. E é bem o que você disse, quando nos sentimos bem transmitimos isso para quem está do nosso lado e consequentemente atraímos coisas boas, é bem aquele lance das energias..

    Enfim.. que bom que você o que há de bom em você, continue transbordando isso <3

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita e pelo comentário.
Deixe sua URL junto ao comentário para que eu possa retribuir o carinho em seu blog! ♥